Entretenimento corporativo utilizando futebol de robôs

Motivação é um dos temas que mais chamam a atenção quando se trata de gestão de pessoas dentro de uma empresa que trabalha com o perfil criativo. Qualquer líder que se preze está sempre em busca de soluções para tornar as equipes mais motivadas e engajadas, pois sabem que dessa forma, tirarão o que há de melhor em produtividade, foco e comprometimento de seus colaboradores. Ter consciência disso é um grande passo, mas como motivar de forma correta?

Antigamente, uma forma de motivação muito utilizada pelas empresas era o retorno financeiro. No entanto, pesquisa recente divulgada pela Catho Online aponta que os fatores que mais mantem os profissionais motivados no trabalho, estão ligados ao bom relacionamento com as pessoas no trabalho, reconhecimento profissional, e ter a possibilidade de trabalhar com o que se gosta. Salário e acúmulo de capital, não aparecem nem entre os cinco principais fatores de motivação.

Não adianta investir em RH, cargos e salários sem se envolver com o que mais importa: pessoas. O que as pessoas querem é motivação, vontade de acordar e fazer o trajeto para o trabalho com alegria e animação. Para Eduardo Kruger, sócio da Informat, é isso que motiva as pessoas. “Eu acredito que, antes de contratar uma consultoria de RH, todo gestor pode se atentar a alguns pontos, que geralmente custam muito pouco e podem gerar ótimos resultados, relacionados à motivação de pessoas em uma empresa”, afirma o gestor.

Para que os empreendedores consigam motivar seus colaboradores de forma eficaz e inteligente, Kruger separou pontos importantes que merecem atenção. Entre eles, está a questão do investimento na qualidade de vida dos colaboradores. Em um mercado que busca por pessoas criativas, que fazem diferença no lugar onde estão. Por isso, se você quer equipes motivadas, envolvidas com seu trabalho, criativas, que opinam, sugerem, criticam, e apontam melhorias, crie um ambiente de trabalho onde as pessoas gostem de estar e passar a maior parte do dia.

Neste caso, investir em áreas de lazer e convívio comum, com sofás confortáveis, mesa de bilhar, e puffs em salas de reunião; pode tornar o ambiente mais descontraído e favorável para que os colaboradores expressem suas opiniões, e contribuam com ideias inovadoras.

Diante desse fato, porque não pensar fora da caixa e ao invés de colocar uma mesa de bilhar ou pebolim tradicional, a empresa, ela mesma não sair da sua zona de conforto e investir em algo inovador para seus colaboradores como adquirir um equipamento de futebol de robôs, por exemplo.

Por se tratar de algo inédito e fora do “algo comum” pode realmente estimular todas as características das pessoas criativas. Estimulando as mesmas a interagirem e criar uma ação positiva de envolvimento e imersão. Isto é base do conceito de edutainment, que é imersão, interação e envolvimento.

O edutainment foi uma metodologia criada a partir da junção das palavras education (educação) + entertainment (entretenimento), que usa elementos divertidos, como games, filmes, seriados de TV, aparelhos móveis e até robôs inteligentes, desenhados para se tornarem educativos. “Muitas pessoas associam o edutainment a uma ferramenta tecnológica, quando na verdade o que deve estar por trás de qualquer robô ou jogo carismático é a metodologia que ele desenvolve, que precisa ajudar o professor a melhorar a curva de aprendizado de seus alunos”, afirma Ph.D. Antonio Valerio Netto, cofundador e diretor de educação e tecnologia da XBot, uma das primeiras empresas brasileiras criadas para fabricação e comercialização de robôs móveis inteligentes para a área de edutainment.

 

 

Uso do RoboGol em lojas para atrair clientes

O RoboGol pode ser utilizado de várias formas. Uma que mais se destaque é uma ideia simples para lojas de roupas esportivas, acessórios de time de futebol, etc. Enfim comércio que tem a temática voltada para o universo do futebol.

1.) Colocar um equipamento de futebol de robô dentro da loja. Você pode distribuir um cartão na portaria do estacionamento de um shopping dando direito a pessoa a jogar uma partida de 3 minutos ou 4 minutos de futebol de robô. A princípio as pessoas iriam até a loja para jogar. Se forem em dois é o ideal (mãe, filho, pai, amigo, etc), se for uma pessoa, seu atendente pode jogar com esta pessoa ou falar para ela convidar alguém que esta passando pela loja para jogar. A expectativa é que tenha uma maior rotatividade de público visitando a loja. E ver o quanto desses acabam comprando algum item.

2.) No caso, por exemplo, de um cliente comprar um ticket acima de determinado valor, por exemplo, de R$50,00. Você pode oferecer um cartão que dá direito ao jogo para que o cliente volte outro dia ou de para um colega vir jogar. Em ambos os casos, você tem um retorno de uma pessoa ou duas para entrar na loja. Se a pessoa quiser jogar na hora, não precisa nem dar o cartão. Mas a sugestão seria fazê-lo voltar novamente na loja mais tarde ou outro dia, etc.

É possível fazer um teste de validação por um período de 60 dias. É possível alugar o equipamento por um valor mensal. Além dos custos de transporte da empresa em São Carlos até o local da loja. O valor cobrado varia conforme a distância. Deve-se verificar se houve o aumento do número de pessoas a frequentar a loja (visibilidade) e se aumentou o número de itens vendidos (faturamento). Além disso, a confecção dos cartões que dão direito a uma partida poderia ser produzida em uma gráfica. Deve ser o mesmo valor do custo de confeccionar um cartão de visitas comum. Você pode começar imprimir em torno de 1000 cartões. O que poderia dar por volta de duas mil pessoas nos 60 dias da promoção.

Está ai uma sugestão de utilização. Aproveite e veja se cabe em seu negócio!!!!